8 de março de 2015

Feliz Dia das Mulheres!


"158 anos atrás, operárias de uma fábrica de tecidos, situada na cidade norte americana de Nova Iorque, fizeram uma grande greve. Ocuparam a fábrica e começaram a reivindicar melhores condições de trabalho, tais com redução na carga diária de trabalho para dez horas (as fábricas exigiam 16 horas de trabalho diário), equiparação de salários com os homens (as mulheres chegavam a receber até um terço do salário de um homem, para executar o mesmo tipo de trabalho) e tratamento digno dentro do ambiente de trabalho.

A manifestação foi reprimida com total violência. As mulheres foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada. Aproximadamente 130 tecelãs morreram carbonizadas, num ato totalmente desumano.
No ano de 1910, durante uma conferência na Dinamarca, ficou decidido que o 8 de março passaria a ser o "Dia Internacional da Mulher", em homenagem as mulheres que morreram na fábrica em 1857. Mas somente no ano de 1975, através de um decreto, a data foi oficializada pela ONU. 


Ao ser criada esta data, não se pretendia apenas comemorar. Na maioria dos países, realizam-se conferências, debates e reuniões cujo objetivo é discutir o papel da mulher na sociedade atual. O esforço é para tentar diminuir e, quem sabe um dia terminar, com o preconceito e a desvalorização da mulher. Mesmo com todos os avanços, elas ainda sofrem, em muitos locais, com salários baixos, violência masculina, jornada excessiva de trabalho e desvantagens na carreira profissional."

Fonte: 
http://www.suapesquisa.com/dia_internacional_da_mulher.htm

Então essa foi a origem da comemoração do dia de hoje. E eu queria aproveitar a ocasião e escrever aqui a minha visão a respeito do movimento feminista e do que nós mulheres ainda precisamos lutar.

Primeiramente, nunca fui fã e nunca vou ser de generalizações. Acho que o mundo é diversificado demais e é muito pretensioso da nossa parte querer unir um grupo de pessoas sob uma mesma classificação. Dessa forma, acho que a nossa maior luta é justamente contra essa palavrinha: todas as mulheres são sensíveis, todas as mulheres dirigem mal, todas as mulheres são frágeis, mulheres que usam determinadas roupas são vulgares, mulheres servem só para cuidar dos filhos e da casa, etc. É muito incompatível que em pleno século XXI ainda existam homens que pensem dessa forma (não todos, ok? Lembrem-se contra o que estamos lutando aqui). Por isso o movimento feminista é tão importante: é como se fosse uma injeção de modernidade na cabeça arcaica daqueles que não conseguem entender que hoje os tempos são outros, que hoje as mulheres possuem liberdade de agirem como quiserem (sempre respeitando os outros, claro), vestirem a roupa que se sentirem mais confortáveis, dirigir muito bem, trabalhar fora de casa e receber os mesmos salários que os homens, votar e decidir o que querem para o seu futuro.

Os homens precisam entender que não há nenhum problema em nos elogiar para os amigos, porque afinal de contas nós também fazemos isso, certo? Mas tem sim problema em fazer cantadas embaraçosas e nos obrigar a fazer o que não queremos. Não tem problema em brincar com a nossa TPM e nossas mudanças de humor nessa época, contanto que saibam fazer brincadeiras sobre vocês mesmos também. Não tem problema em pedir pra ficar com uma mulher na balada, contanto que respeitem a decisão dela. Respeito: está ai a palavra-chave de tudo. 

Mulheres, nunca deixem que te digam o contrário: nós somos livres. Assim como os homens possuem suas qualidades, nós possuímos as nossas, cada uma do seu jeito. Igualdade. Fora com as generalizações. Fora com o preconceito. E viva as mulheres. Viva os homens que entendem nossos direitos. Viva os gays e lésbicas que não tem medo de assumirem o que são. Viva o respeito. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário