24 de junho de 2015

Divertida Mente!

Domingo passado, fui assistir esse filme no cinema. Confesso que, apesar de ter gostado muito do trailer quando assisti, pensei que fosse ser um filme de criança bonitinho, mas sem nada de muito especial. Mas eu estava redondamente enganada. 

O filme conta como nossos sentimentos e pensamentos são controlados dentro da nossa cabeça pelas emoções. A personagem principal é Riley, uma menina de 11 anos cujas ações são comandadas por Alegria, que não deixa que ela fique triste nunca, mantendo Tristeza longe da mesa de comando. Porém, quando Riley e seus pais mudam de sua cidade natal, em Minnesota, para São Francisco, a menina vai ter que lidar com várias mudanças em sua vida, e ver o lado positivo de tudo vai ficar um pouco mais difícil. Alegria começa a perder o controle das emoções, fazendo com que as lembranças de Riley (as pequenas bolinhas) fiquem mais coloridas do que amarelas (que simbolizam a felicidade). 



Se não bastasse, Tristeza começa a desobedecer Alegria e encostar nas lembranças de Riley, fazendo-a ficar triste no seu primeiro dia de aula. Após uma briga entre as duas emoções, elas são lançadas para fora da sala de comando. Agora, elas precisam voltar para lá antes que a menina esqueça como ser feliz e as outras emoções (Nojo, Medo e Raiva) controlem tudo. 


(Se você não assistiu ainda, não leia essa parte!)
No final, o filme ensina a importância da Tristeza, já que as melhores lembranças de Riley começaram com algo triste que depois virou algo maravilhoso. Além disso, quando a menina perde todas as lembranças que formam sua personalidade, quando ela fica revoltada com tudo e pensa em fugir, a Tristeza é a única emoção que faz com que ela volte para trás, desabafe tudo para seus pais sobre seus sentimentos em relação à mudança, e depois consiga ficar feliz de novo.

Não conseguimos ser felizes sempre; às vezes, é importante deixar-se sentir a tristeza, pois ela nos ensina tanto quanto a alegria e faz parte da vida. Ela é o sentimento que nos permite colocar para fora tudo o que nos machuca, e uma vez livres disso, conseguimos ser felizes de novo. 


E, o mais importante: não é uma só emoção que nos constitui como pessoas, mas sim o equilíbrio de todas elas. No final, a cabeça de Riley ganha uma nova mesa de comando, onde todas as emoções podem ser representadas e estar no controle, não só Alegria. 

4 comentários:

  1. Oi Ana, que fofo seu blog :3 dá pra ver nos seus posts seu amor pelas palavras, você escreve muito bem!
    E pela Disney tbm aysuahsuahsus
    O filme parece ser muito. Aproveitar esse tempinho de frio aqui em SP pra assistir comendo uma pipoca, hmmmm td de bom kk
    Parabéns, sucesso!!

    aanestesia.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada linda, de verdade! Seja muito bem-vinda!
      Sucesso para nós duas! <3

      Excluir
  2. Ai que lindo, foi o post mais completo desse filme que eu li, quero muito assistir, não me aguentei e li os spoilers também, agora fiquei mais curiosa hahaha

    estranhanoparaiso.com.br
    youtube.com/estranhanoparaisoh

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assiste, não vai se arrepender! A lição que ele passa é incrível <3

      Excluir