29 de julho de 2015

Minhas 5 fotos espontâneas favoritas

No meu 4o semestre da faculdade vou ter uma matéria chamada "Fotojornalismo", que é basicamente uma divisão do jornalismo em que os fatos são contados através de fotos, que jamais podem ser pousadas: precisam ser espontâneas para dar legitimidade ao que foi registrado. 
Sempre fui apaixonada por fotografia, e as fotos espontâneas estão entre as minhas favoritas, pois elas conseguem captar as emoções dos fotografados sem que eles percebam. Elas transmitem o que estávamos sentindo no momento e, por isso, são a melhor recordação que podemos ter. Assim, decidi para hoje compartilhar com vocês 5 fotos espontâneas que eu adoro e que me lembram de alguns momentos especiais da minha vida. 

1) Meu irmão tinha um aninho nessa foto, e essa foi a primeira vez que ele foi na praia. Podemos ver refletido no rostinho dele aquela sensação esquisita que toda criança tem quando encosta na areia pela primeira vez. Quer coisa mais bonitinha que isso? Depois, quando acostumou com a areia e com o mar, queria sair correndo para explorar mais desse mundo que ele estava começando a conhecer.



Crédito da foto: Joaquim José Oliveira Filho (vulgo meu pai)

2) O que eu mais amo nessa foto é que parece que ela foi pousada, mas na verdade a gente não sabia que meu amigo estava tirando. Ela mostra todo o carinho que eu tenho pela minha irmãzinha de coração, e como eu sempre vou estar aqui para cuidar dela, independente do que aconteça. 


Crédito da foto: Guilherme Fantini Ferreira

3) No mesmo dia que a foto de cima foi tirada, meu amigo tirou essa do lado. Eu lembro certinho de como estava me sentindo: com um machucadinho no meu coração que insistia em doer. Mas nesse momento, enquanto estava distraída conversando com os meus amigos, eu estava bem. Então, essa foto me transmite que, por mais destruída que às vezes a gente esteja por dentro, sempre conseguimos encontrar motivos para ser forte e sorrir.
Crédito da foto: Guilherme Fantini Ferreira
4) Essa foto era pra ser pousada: minha mãe tentou me pegar no colo pra tirar. Mas eu tive medo de machucá-la, e a gente começou a dar risada porque eu não queria que ela me levantasse. Bem nessa hora, meu pai tirou a foto. E ela me lembra do quanto sou feliz e abençoada por ter uma mãe que nem a minha: tão doce, delicada e amiga. A melhor mãe do mundo. 

Crédito da foto: Joaquim José de Oliveira Filho

5) Por fim, para aqueles que nunca viram o rostinho dela, essa é a Júlia, minha companheira de faculdade, profissão e vida. Ela que escreve todo final de semana aqui e transmite tantas coisas boas para vocês. Nesse dia, estávamos gravando nosso telejornal com um tema um tanto peculiar. E podemos ver que ela estava toda animada, vestida de Minnie e segurando o microfone da PUC pela primeira vez. Eu amo essa foto pela carinha de feliz da Juju e por ela me lembrar que, por mais que a gente precise levar nossa profissão a sério sempre, não faz mal procurar dar um toque de leveza e diversão a tudo o que fazemos. Certo? 


Crédito da foto: Ana Luísa de Oliveira

Um comentário: