2 de agosto de 2015

Oi agosto


Eu não ia publicar nada no blog hoje, mas como um novo mês acabou de começar e amanhã eu volto pra minha rotina normal, achei que valia uma reflexão. Então, vamos lá.

Vou ser sincera com vocês: depois de ficar um mês inteiro descansando e quase o tempo todo dentro de casa, estou meio deprê de ter que voltar para as aulas e para o estágio amanhã. Me sinto como um passarinho que precisa encontrar coragem para sair do ninho e voar por ai sem medo de ser feliz. Sei que tudo o que é bom acaba (assim como tudo que é ruim, graças a Deus), que não posso passar minha vida dentro da segurança da minha casinha, que preciso parar com essa preguiça e encarar a realidade. Sei mais ainda que devia ser agradecida por estar na faculdade e por ter um estágio, fazendo em ambos uma coisa que eu amo; e sou sim muito agradecida. Não deixem que meu desânimo diga o contrário. Eu sei de tudo isso. Mas, como diria minha querida Martha Medeiros, não basta a gente saber: precisamos sentir. E eu estou trabalhando nessa parte ainda. 

É sempre assim para todo mundo: quando uma coisa muito boa acaba, a gente daria tudo pra voltar no tempo e viver tudo de novo, e de quebra escapar de ter que voltar para as responsabilidades. Mas a gente não pode. Afinal de contas, o que faz as férias, as viagens, os momentos serem tão especiais é justamente o fato de acontecerem só de vez em quando, e não terem volta. E muitas outras coisas boas estão por vir, e elas se tornam ainda melhores quando a gente curte com aquela certeza de que merecemos depois de tanto tempo trabalhando/estudando. 

Olá, agosto. Estou pronta (eu acho). Mas seja bonzinho comigo, ok?

Nenhum comentário:

Postar um comentário