30 de maio de 2016

Carta para os corações partidos


Ei, você.
É, você.
Eu sei que está doendo. Sei mesmo.

Eu sei que a dor parece que não vai ter fim. Sei que parece que você nunca mais vai ser feliz de novo. Vai por mim, eu sei.

Mas viu, não desiste não. Vamos com calma. Não exija muito de você agora. Chora mesmo, chora bastante. Me ensinaram que tudo o que a gente coloca pra fora do corpo é sinal de purificação. Então, purifique-se, quantas vezes forem necessárias.

Mas depois, respire fundo. Pode não parecer, mas o mundo lá fora da sua janela ainda está girando, e você tem que girar junto com ele, ou vai ficar pra trás. Vamos, tome um banho bem gostoso, deixe que suas lágrimas se confundirem com as gotas de água do seu chuveiro. Próximo passo: pegue sua toalha e enxugue esse rosto.

Olhe-se no espelho: não consegue ainda colocar aquele seu sorriso? Tudo bem, mas pelo menos dê um jeito nas olheiras e nos olhos vermelhos. As pessoas não precisam saber que você está meio destruído(a) por dentro, e sabe por quê? Porque o mundo é cruel, e vão tirar vantagem da sua dor. Peça ajuda apenas para os que te amam, que vão saber te ajudar. Pro resto: “sim, estou ótimo(a), obrigado(a)!”.

E assim os dias vão passando. Em alguns, você vai estar muito bem. Em outros, nem tanto. Abuse dos cuidados dos outros, mas também saiba cuidar de si mesmo(a). Faça todas as suas obrigações, porque elas te ocupam a cabeça. Faça tudo o que você ama, porque isso te ocupa o coração. E anote aí em algum lugar que você sempre olhe: vai passar.

Mais um texto clichê? Talvez. Mas poxa, esses são os melhores quando a dor também é clichê. Vai dizer que está se achando a primeira pessoa do mundo a sofrer por coração partido?


E vai por mim: também não será a última.

Um comentário:

  1. Como não amar teus textos, Ana?
    Clichê, excepcional, tanto faz. Sempre que eu clico sei que é algo que acrescenta ou abraça a gente. ♥
    Tava com saudades desse blog.

    ResponderExcluir