19 de agosto de 2016

Aprendendo a ser sensível

"Quem nasceu com a sensibilidade exacerbada sabe quão difícil é engolir a vida. Porque tudo, absolutamente tudo devora a gente. Por inteiro." - Marla de Queiroz

Se me permitem a sinceridade e a completa falta de romantismo, queria declarar o seguinte: ser uma pessoa sensível é um saco. Mesmo. 


Se alguém nos dirige uma palavra um pouco mais dura, já magoamos. Se um amigo não olha pra gente direito, já revemos todas as nossas atitudes para ver o que fizemos de errado para ele. Se recebemos uma crítica, já achamos que jamais vamos conseguir ser melhores. Se perdemos alguém, já achamos que nunca vamos ser suficientes e que vamos perder todo mundo. Esse é o problema: tudo dói mais do que deveria. 

Mas a verdade é que, quando a gente aprende a lidar com a nossa sensibilidade, nos tornamos pessoas mais fortes que as demais. Afinal, recebemos os sentimentos ruins com uma carga mil vezes mais forte que os outros, e aprendemos na marra a aguentar firme e cuidar nós mesmos dos machucados. Caso contrário, qualquer tropeço em uma pedrinha no nosso caminho seria suficiente para nunca mais levantarmos. 

20 anos convivendo com a sensibilidade, e apesar de todos os dramas que eu ainda crio por causa dela, sinto que estou conseguindo lidar de uma forma cada vez melhor (espero). Para você que ainda está no começo, fique tranquilo(a): uma hora a gente aprende a usa-las apenas ao nosso favor. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário