12 de dezembro de 2016

Manual de sobrevivência para um dia torto


Se você é da opinião que o Reino das Palavras às vezes fica bem depressivo com os posts falando de dores e de dias ruins... Você está completamente certo. Mas são justamente esses posts que me nos levam para o grande objetivo desse blog, porque é através deles que eu compartilho meus ensinamentos ao longo dessa vida e tento fazer com que eles entrem na cabeça de cada um dos meus leitores ao mesmo tempo em que tento faze-los entrar na minha. Assim, todos caminhamos juntos para sobrevivermos às decepções, sofrimentos, problemas e, claro, dias ruins sem nenhum motivo (ou motivos criados pela nossa cabeça) da maneira mais madura possível. 


Claro que eu também estou aqui para compartilhar os meus pontinhos luminosos que eu tanto falo. Afinal, a vida também é gentil com a gente e nos proporciona coisas incríveis que merecem seu espaço e reconhecimento. 

Enfim, hoje em especial foi um dia torto com pouquíssimos desses brilhinhos. Mas eu passei por ele de uma forma bem melhor do que eu esperava. Decidi, então, criar esse manual para dias ruins e vou procurar segui-lo toda vez que amanhecer e eu já perceber que está tudo meio do avesso. Vamos lá.

Primeiro passo: Entenda porque você acordou mal. Por mais que você (meninas) acha que é "só" a TPM, com certeza tem algo te machucando aí dentro que você não está entendendo, e esse algo vai continuar te espetando até você prestar atenção nele. Mas às vezes você já sabe de cor e salteado porque está assim. Apenas diga: "Eu acordei torto por causa de tal coisa". 

Segundo passo: Uma vez entendido o motivo, hora de usar todas as suas forças para não dar atenção aos gritos dos pensamentos negativos. Entenda que eles vão sapatear, dançar e rodopiar na sua frente para que você foque apenas neles. Ignore-os o máximo que der com QUALQUER coisa. Responsabilidades, estudos, compromissos ou qualquer coisa chata que você precisa fazer e que, hoje, vai ter esse bônus de servir como distração. 

Terceiro passo: Resista com todas as suas forças contra a vontade de desistir de viver esse dia. Você vai sim, durante vários momentos, querer voltar pra sua cama e ficar lá fingindo que não existe e desejando poder hibernar que nem os ursos. Não faça isso jamais. Aliás, não faça nada que te proporcione pensar sobre o porquê de você estar mal. 

Quarto passo: Respeite os seus momentos de fraqueza. Tire minutos do seu dia para descansar da luta e fazer coisas simples que você gosta. Não tem problema não ser forte o tempo todo. 

Quinto e último passo: Sinta-se orgulhoso(a) de você quando o dia acabar. Você conseguiu mais uma vez provar que é mais forte que qualquer coisa que te machuca. Nem todo mundo consegue isso.

Espero que todos nós possamos internalizar esses passos e tentar andar o mais reto e equilibrados possível nos nossos dias tortos. 

Um comentário:

  1. Somos alma gêmea. Dia desses tive uma noite beeeem torta e quando pensei que terminaria meu dia mal, outra parte de mim disse que não é bem assim e eu fiz exatamente o que você disse!
    Eu reconheci o que me incomodava, vi o quanto era inútil deixar com que aquilo se apropriasse de mim e me recusei a baixar a guarda, no fim, fiz o que de fato tinha que fazer e me senti melhor e feliz.
    Parece coisa de lunático, tipo, "não é tão fácil", bom, nem sempre é, mas foi instantâneo e eu me senti muito orgulhosa de mim! :)

    ResponderExcluir