21 de dezembro de 2016

Resenha: Harry Potter e a Criança Amaldiçoada



Autoria da peça:
Jack Thorne
Número de páginas: 330
Classificação pessoal: 5/5

Quando descobri que a peça "Harry Potter e a Criança Amaldiçoada", lançada em junho desse ano, ganharia uma adaptação para livro, a parte de mim que é totalmente apaixonada pela série deu pulos e cambalhotas de emoção e ansiedade. Nos últimos tempos, minha querida J.K. Rowling vem me proporcionando diversas maneiras de voltar ao universo que foi um dos meus maiores refúgios quando criança, e é demais para meu coração. Claro que esses sentimentos teriam sua força triplicada se, ao invés de uma peça, a escritora publicasse um livro com a continuação. Porém, concordo com ela: Harry Potter teve seu tempo, e foi incrível. Se continuasse, um pouco da magia em torno do final poderia se dissipar. Vamos ao que interessa.

Escrito em um formato totalmente novo pra mim, "Harry Potter e a Criança Amaldiçoada" é composto apenas de diálogos e breves descrições do ambiente em que os personagens se encontram. Nem por isso o seu impacto sobre as nossas sensações é menor. Confesso ter estranhado um pouco quando, logo no começo da história, o tempo passa rápido demais sem muitos detalhes da vida de Alvo Severo em Hogwarts. Mas logo o enredo se estabiliza em um único ano, e o conflito principal começa a tomar forma.

Quem é, afinal, a criança amaldiçoada? Essa é a pergunta que nos acompanha durante toda a leitura. Primeiro, pensamos ser Alvo, o filho de Harry Potter e Gina Weasley que é quieto, recluso e, logo descobrimos, sonseriano. Depois, passamos nossas suspeitas para Escórpio, filho de Draco Malfoy e quem todos pensam ser filho de Voldemort. Obviamente, não direi quem é. Mas adianto que o mistério é resolvido apenas no final. 

O fato é que os dois meninos tem dificuldade em fazer amigos na Escola de Bruxaria por conta da personalidade difícil de Alvo e da má reputação de Escórpio, e encontram um no outro um porto seguro. Porém, a revolta de Alvo e a sua necessidade de provar que seu pai cometeu inúmeros erros ao longo da vida e não é tão grande quanto todos pensam levam os meninos a se meterem em uma grande confusão que pode mudar a realidade como conhecem. Afinal, com o tempo não se brinca. 

Em um determinado ponto, a angústia de saber como a história termina foi tão grande que eu praticamente devorei as últimas páginas. Envolvente, emocionante e com um mistério por trás, "Harry Potter e a Criança Amaldiçoada" faz jus ao universo que pertence e não decepciona em absolutamente nada. Novamente, aprendemos que o poder do amor e da amizade é maior do que qualquer magia negra que exista no mundo. 

Meu personagem favorito? Escórpio. Um menino profundamente afetado por tristezas e injustiças pelo sobrenome que carrega e, ainda assim, doce, corajoso e capaz de qualquer coisa para proteger quem ama. O verdadeiro herói da história. 

Livro obrigatório para todos os fãs de Harry Potter. 
"Não. Não são verdadeiros. E vou te dizer por quê. Porque eu não acho que Voldemort fosse capaz de ter um filho bom... e você é bom, Escórpio. Até o fundo da barriga, até a ponta dos dedos." - Alvo

2 comentários:

  1. Acompanho Harry Potter desde o primeiro filme e até hoje não me decepcionei com NADA. Amo de paixão sz
    http://malu81.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não existe decepção com Harry Potter, Malu... Obrigada por entender isso <3

      Excluir