16 de janeiro de 2017

Curtir o caminho


Os apaixonados que me perdoem, mas eu nunca gostei de avião. Se meu estômago fosse um pouco mais forte, talvez eu conseguisse aproveitar mais os diferentes filmes e séries disponíveis na TV, a famosa comidinha servida e o simples fato de se estar começando mais uma aventura. Acontece que tudo isso fica meio obscuro quando a minha última refeição começa a dar saltos mortais dentro de mim. 


Por isso, toda a mágica que envolve a transição do nosso cotidiano para os dias nada comuns de uma viagem está sempre, para mim, nos aeroportos. Eu adoro, e não porque eu sou particularmente inspirada por todo o clima de histórias e emoções diferentes em um mesmo lugar (apesar desse texto ter sido escrito em um), mas sim porque existe toda uma expectativa e uma ansiedade gostosa (a única que eu gosto de sentir) de se estar esperando por algo tão esperado (permissão para a repetição proposital de palavras). Nem os eventuais estresses e o medo de dar tudo errado conseguem ser maiores do que esses sentimentos (pelo menos na maioria das vezes; e aqui eu encerro os parênteses desse texto). 

A verdade é que eu amo a possibilidade de se esperar por algo incrível que está por acontecer. Hoje em dia, as pessoas não sabem mais apreciar esses raros momentos de transição. Querem chegar logo no destino, curtir logo o show e andar logo na montanha-russa. De forma mais ampla, na nossa louca vida contemporânea, focamos demais onde queremos chegar sem curtir o caminho e a expectativa do que está por vir. Uma pena. 

Como toda boa ansiosa, não posso dizer que sou a melhor pessoa do mundo no quesito espera. Mas posso dizer que adoro aquela inquietação gostosa de saber que algo fora do comum está me esperando logo em frente. Isso me motiva a viver os dias que me separam desse algo com mais ânimo. 

Assim, quando descobri que o Simple Plan viria pro Brasil e comprei em seguida os ingressos, fiquei 123 dias esperando por eles e tendo surtos de alegria cada vez que lembrava que iria pela primeira vez em um show de pista premium. Quando resolvi que iria conhecer a Martha Medeiros em São Paulo, foram duas semanas que ganharam um brilho especial da ansiedade de conhecer uma das minhas escritoras favoritas. Quando meu pai confirmou nossa viagem pra Portugal, mais dias de alegria pela frente. 

E assim vai. De momento em momento, vamos saltitando de um para o outro sem deixar de curtir cada dia da nossa contagem regressiva. Afinal, é como dizem por aí: felicidade é uma forma de viajar, e não um destino. Então, vamos ser felizes durante todo o caminho.

Nenhum comentário:

Postar um comentário