26 de julho de 2017

Resenha: "Homem-Aranha: De Volta ao Lar"


Diretor: Jon Watts
Elenco: Tom Holland, Laura Harrier, Michael Keaton, Robert Downey Jr, Zendaya
Duração: 2h14
Classificação pessoal: 9/10


Antes de assistir este filme nos cinemas, já era bem familiarizada com a história do Homem-Aranha. Assisti os primeiros filmes, interpretados pelo ator Tobey Maguire, quando era menor e lembro de ter achado o herói um pouco depressivo. Mas gostei. Tanto que, quando lançaram a segunda leva de filmes, dessa vez interpretados por Andrew Garfield, fiz questão de assistir e não me decepcionei nem um pouco: o Homem-Aranha é engraçado, jovem, gentil e correto, mesmo cometendo erros próprios para sua idade. 

Tendo me apaixonado tanto pela atuação de Garfield, confesso que fiquei com um pé atrás quando descobri quem seria o próximo a usar o traje. Tom Holland parecia muito, digamos, novo demais, mesmo que, em tese, o herói seja um adolescente. Também admito que, na primeira aparição que ele faz em "Capitão América: Guerra Civil", não fiquei tão impressionada. Achei legal, mas foi só isso. 

Contudo, tirei o meu chapéu e reverenciei o ator nesse filme. Sem dúvida, um dos melhores desse ano. 

O que eu mais gostei em todo o enredo foi o fato de que Peter é, de fato, um garoto tentando aprender a controlar seus poderes e fazer o bem. Dessa forma, a produção não esconde seus inúmeros erros e tentativas falhas de ajudar os outros. Pensa que ele lamenta e considera desistir? Nada disso. No melhor estilo "caiu e levantou", o jovem herói segue em frente. E, apesar de novo, é muito forte: aguenta socos, quedas e, ainda assim, não fica com quase nenhum machucado. 

Segundo ponto positivo: o uniforme. Presente de Tony Stark, não podia ser diferente: várias tecnologias e uma voz a lá Jarvis. Algumas pessoas não gostaram desses "detalhes", mas eu adorei e achei necessários para criar a imagem do Homem-Aranha mais jovem e, como não poderia deixar de ser, com mais apetrechos de última geração. 

Falando no Homem de Ferro, nem preciso dizer que amei a importância que ele tem para a "criação" de Peter. Mesmo tendo dificuldades em mascarar seus defeitos, Tony é uma ótima pessoa e quer o bem do herói que ele foi responsável por achar. Capitão América também faz uma participação especial, roubando risadas de todos. 

O que eu mais me divirto assistindo esses filmes são as frases de zoação e a leveza com que Homem-Aranha enfrenta os inimigos. Tom Holland não falhou em nenhum momento neste aspecto, preservando a minha característica favorita. Além disso, ele conseguiu criar o embate perfeito entre uma vida de herói e de adolescente normal, com amores, responsabilidades e escola. A dificuldade de equilibrar tudo isso está sempre presente, como deve ser. 

Por fim, mais um aplauso para a namorada que foge dos esteriótipos de menina popular/líder de torcida, mas sim popular/inteligente que participa de competições. Porém, achei a atuação de Laura Harrier um pouco "fechada" e sem sal. 

Falando de mais um ponto negativo, penso que o enredo deveria deixar mais claro o real propósito dos inimigos. O que eles, de fato, queriam com tudo aquilo. Ainda assim, não posso deixar de elogiar Michael Keaton por criar um vilão excelente, com cara, voz e jeito de bad guy.

Mais uma produção maravilhosa do Universo Marvel. Assim podemos resumir "Homem-Aranha: De Volta ao Lar". 

Um comentário:

  1. O legal é que foge do comum, né? Confesso que não é o gênero de títulos que me atrai, porém eu daria uma chance, achei a sinopse bacana. ♡ xoxo, Blog B de Bia

    ResponderExcluir