21 de agosto de 2017

Carta para eu do passado


Querida Ana Luísa,

Não sei exatamente quantos anos você tem agora, porque eu simplesmente escrevi esta carta e joguei em uma máquina do tempo (imaginária) sem determinar um ano certo. Mas, em qualquer momento da nossa vida em que estamos, esses conselhos podem ser aplicados. Então, escute (ou leia) com atenção.
Não se desgaste com amizades unilaterais. Aquelas em que só você se dedica, preocupa e vai atrás. Vai por mim, insistir sem receber nada em troca só vai te fazer sentir como se você não importasse pra ninguém, quando, na verdade, você importa sim. Trate essas pessoas com respeito, mas não doe muito mais do se tempo e afeto do que isso.
Cerque-se de quem te faz bem. Vá atrás de amigas com quem você não fala há algum tempo, mas que vão ficar felizes em conversar com você e não vão medir esforços para te encontrar. 

Não se compare com os outros. Cada um tem o seu tempo, e você está no seu, sem atrasos ou adiantamentos. Foque na sua vida, nos seus hobbies e nas suas responsabilidades. Ah, e não se preocupe com estágios. Você vai conseguir. Continue dando o seu melhor e não se esqueça de deixar sua marca positiva em todos os lugares por onde passar.
Curta cada fase e cada momento da melhor forma que der. Eu sei que é meio clichê (como você pode ver, ainda recorremos a eles), mas vai por mim, é possível. Porque os dias passam cada vez mais rápido e não dá pra ser feliz apenas na sexta-feira.
Não se sinta culpada por ser quem é. Ainda estou trabalhando nisso por aqui. Sei que algumas pessoas te julgam por não gostar das mesmas coisas que elas. Só que isso não é um problema. Sério mesmo.
Ah, e tente ser menos ansiosa. Não faz bem. Claro que estamos indo contra a nossa natureza, mas pelo menos faça um esforço, ok? 

Também não se preocupe com os momentos difíceis que estão por vir. A gente vai dar conta, prometo. 
Beijos,
Ana Luísa 

Nenhum comentário:

Postar um comentário