30 de março de 2018

Estudos do bem


Desde o momento em que entramos na nossa primeira escola, iniciamos um ciclo de estudos que tem como principal objetivo conquistarmos sucesso profissional no futuro. Assim, nos dedicamos aos livros e apostilas, decoramos fórmulas e fatos históricos, fazemos provas e trabalhos, prestamos um exame para conseguir entrar na faculdade desejada, inauguramos uma nova e diferente fase de aprendizados que inclui os primeiros estágios e experiências na profissão que escolhemos, finalizamos depois de alguns anos para, por fim, entrarmos no mercado e começarmos a construir nosso currículo. Mas quase nunca acaba por aí: muitos investem em cursos e pós-graduações, e continuam procurando novas maneiras e conhecimentos para agregar cada vez mais valor ao que podemos oferecer. 

O problema é que, nesse ciclo que se abre quando somos pequenos e perdura por uma grande parte das nossas vidas, deixamos de lado algo tão importante quanto se transformar em um profissional bem-sucedido: se tornar uma boa pessoa. Nem sempre nascemos com capacidades como empatia, atenção, gentileza e respeito, e ainda assim, não vamos atrás de desenvolve-las. Estamos muito ocupados pesquisando as tendências do mercado para os próximos anos para nos preocupar em treinar atividades como escutar os outros, dar conselhos, fazer-se presente sempre que possível e sentir a dor de quem a gente ama como se fosse nossa própria. Conquistamos nossos mestrados e doutorados, ganhamos prêmios e títulos, mas não temos know-how em simplesmente dar um apoio a um amigo que precisa, ou separar uns minutos do dia para alguém da família que está se sentindo esquecido. Na nossa pressa de sermos melhores que os outros, esquecemos que os outros não precisam ser superados, mas cuidados. 

Claro que dá pra culpar o sistema em que vivemos por isso. Mas só em partes, pois é completamente possível fazer a nossa parte. Prestar mais atenção em como estamos tratando as pessoas a nossa volta. Tentar ser mais educados e tolerantes. Praticar mais as boas ações. E, porque não, ler livros, artigos e notícias relacionados ao comportamento humano, que nos ajudam não apenas a entender melhor nossas ações e sentimentos, como também os dos outros. Afinal de contas, se estudamos para ter sucesso na vida profissional, também podemos nos dedicar a trazer mais felicidade e bem-estar para o mundo a nossa volta. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário