25 de julho de 2018

Curtir a vida


Fuçando o feed do Instagram esses dias, me deparei com uma daquelas típicas frases que acompanham fotos de paisagens ou da própria pessoa na sua melhor pose de "olhando para o nada pensando em tudo": viva como se fosse morrer amanhã. Diferente do que normalmente faço quando leio coisas assim, não tirei print nem guardei na minha pasta de inspirações do celular. Sou uma incorrigível apaixonada por clichês, mas confesso que nunca gostei muito desse em particular. 

Como toda boa ansiosa, essa ideia de viver intensamente acaba provocando aquela famosa crise de "será que eu estou aproveitando meus dias como eu deveria?". Além disso, eu sempre preferi escolher outras legendas para minhas fotos, de preferência aquelas que combinam mais com o que eu acredito. Sim, a verdade é essa: eu não acho que a gente precise curtir a vida como se tudo fosse acabar amanhã, se o seu conceito de "curtir" envolva atividades que, no fundo, não fazem sentido pra você. 

O problema é que a ideia de "viver como se fosse morrer amanhã" acaba automaticamente se associando a festas, viagens, eventos, vida social ativa, bebidas e curtição sem fim. E aí vem aquele dia em que tudo dá errado e sua vontade é ficar em casa debaixo das cobertas, mas você se força a sair mesmo que, no fundo, não esteja nem um pouco feliz com isso, porque vai que esse é seu último dia na Terra, não é mesmo? 

Vamos falar sério agora: quem tem energia, positividade e sorte o suficiente para viver aventuras emocionantes todos os dias? Bom mesmo, na minha opinião, é pensar de outro jeito: se amanhã tudo acabar, eu sei que, hoje, consegui ser grato(a) por pequenos e grandes motivos. Pelo menos eu estava em um caminho que iria me levar aos meus objetivos; eu demonstrava amor e carinho para as pessoas que realmente importavam; e eu usava meu tempo livre com o que eu realmente gostava de fazer - ir ao cinema, curtir várias festas, curtir minha casa, viajar, ler um livro, ficar com meus amigos, ficar comigo mesmo(a). Isso, sim, é aproveitar a vida. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário